Pesquisa mostra que veículos consolidados como o ‘rádio’ combatem fenômeno das notícias falsas ‘fake news’

Confiança nas publicações também impacta anúncios. Consumidores relatam prestar mais atenção a propagandas em ambientes que confiam.

COMPARTILHAR
Alessandro Dassi e Joice Cristina Dassi - Diretores da Jovem Pan Tupã 89.5 MHz

A ‘crise de reputação’ em 2017 concentrou-se nas empresas de mídias sociais e de veículos de notícias exclusivamente online e reforçou a confiança em veículos já consolidados. Rádio, TV e mídias impressas são as fontes de notícias mais confiáveis, enquanto sites de notícias exclusivamente online, mídias sociais (das quais o Facebook prevalece, com 84%) e apps de mensagens (dos quais o WhatsApp é o mais utilizado) merecem menor confiança.

O impacto na reputação causado pela onda de ‘fake news’ atingiu predominantemente canais de notícias exclusivamente online, plataformas de mídias sociais e apps de mensagens. A cobertura jornalística ‘exclusivamente online’ é menos confiável para quase 60% dos consumidores de notícias. Veículos de notícias ‘exclusivamente online’ também sofreram danos significativos à reputação: 41% disseram ‘confiar menos’ neles.

A audiência acredita fortemente (73%) que jornalismo de qualidade é fundamental para uma democracia saudável

Os consumidores de notícias de 2017 têm um relacionamento altamente complexo com a imprensa consolidada, com um apetite cada vez maior por notícias, enquanto ao mesmo tempo continuam com a firme crença que a exatidão no jornalismo é uma das pedras fundamentais de uma sociedade democrática.

Confiança nas publicações também impacta anúncios

A pesquisa também detectou a possibilidade de ocorrer um “efeito halo” da confiança nas notícias, impactando também a eficácia publicitária. É interessante notar que os consumidores relataram prestar mais atenção a propagandas em ambientes que confiam. Ou seja, a imprensa já consolidada pode oferecer um ambiente confiável para os anunciantes.

Além disso, a segurança das marcas no meio online é uma preocupação primordial para os anunciantes, que passaram anos cultivando cuidadosamente as percepções das audiências no espaço offline. A imprensa confiável pode oferecer os ambientes e contextos de qualidade e livres de risco que são consideravelmente importantes para estabelecer uma marca sustentável e de confiança.

Os dados citados neste artigo fazem parte do Relatório Global de ‘Confiança nas Notícias’ (Trust in News, no original em inglês). O estudo entrevistou 8.000 indivíduos no Brasil, França, Reino Unido e Estados Unidos.