Prefeitura de Tupã terá que optar entre Country ou revitalização da Tamoios

Opção de unificar recursos em um único projeto é a saída para não perder repasses.

A Prefeitura de Tupã e o Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) realizaram reunião técnica no dia 15 de agosto, com objetivo de mobilizar a comunidade para ajudar a definir a aplicação dos recursos do turismo. A reunião, realizada na sede do Sincomércio, contou com a participação do prefeito Ricardo Raymundo; do vice-prefeito e secretário municipal de Turismo, Caio Aoqui, secretários municipais, vereadores, equipe técnica da prefeitura e representantes de diversos setores da sociedade, incluindo comercio, indústria, entidades e associações de moradores.

A reunião foi aberta pelo secretário de Governo, Moacir Monari, que explicou a importância e os objetivos da reunião, organizada com o discutir a melhor forma de empregar os recursos do turismo.

Em seguida o Chefe do Executivo agradeceu a participação da população e ressaltou o interesse da prefeitura em mobilizar a comunidade para que possa ajudar o poder público a definir os destinos da cidade. “Desde o início do mandato temos procurado ouvir a comunidade para que tenhamos condições de trabalhar naquilo que a população considera mais prioritário. E com os recursos do turismo não é diferente. São projetos grandiosos, que envolvem milhões em recursos e que vão impactar diretamente na vida de todos os tupãenses. Por isso é um obrigação nossa ouvir o que população, o que ela considera prioridade e onde ela quer que os recursos sejam destinados”, afirmou Ricardo.

Em seguida o vice-prefeito e secretário de Turismo, Caio Aoqui apresentou um resumo dos projetos já aprovados pelo Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos (DADETUR). Ele também explicou sobre o impasse em dois projetos encaminhados na gestão anterior e que apesar de já terem sido aprovados e com recursos liberados pelo DADETUR, precisam ser readequados para serem concretizados.

Segundo Caio, a prefeitura não teria condições de viabilizar tanto o projeto de revitalização da avenida Tamoios, apresentado em 2013, quanto da reforma do Tupã Country Clube, que seria transformado em clube público municipal, encaminhado em 2016. Em ambos os casos, os recursos disponibilizados no projeto original aprovado pelo DADETUR seriam insuficientes para concluir as obras. “No caso do projeto da revitalização da avenida Tamoios, apresentado na administração anterior, os recursos previstos para a 1ª etapa do projeto foram perdidos. Já os recursos da 2ª etapa, quase R$ 3,2 milhões, não seriam suficientes para iniciar e concluir a obra. Com relação ao projeto do Country, também apresentado no governo passado, além do recurso previsto, quase R$ 2,8 milhões, só permitir a revitalização de apenas uma parte do clube, a prefeitura seria obrigada a direcionar recursos dos próximo anos para conclusão da obra e também teria que assumir as despesas de manutenção do espaço”.

Alternativa

Segundo o vice-prefeito para não correr o risco de perder novos recursos, uma alternativa seria direcionar a verba destinada ao Country para compensar os recursos perdidos da 1ª etapa da revitalização da Tamoios. “Essa seria uma alternativa também de garantir que essa obra, que realmente mudaria totalmente a principal avenida da cidade, possa ser iniciada e concluída. Nossa preocupação, além de ouvir a comunidade, é poder garantir que a obra, seja a revitalização da Tamoios ou do Country possa ser iniciada e concluída”, afirmou.

Em seguida, a turismóloga Aracélis Góis Morales explicou toda a tramitação dos projetos turísticos encaminhados e analisados pelo DADETUR. Ela lembrou também que a prefeitura, juntamente com o COMTUR, precisa agilizar uma definição sobre os dois projetos para que não haja riscos de perder os recursos e poder iniciar a obra o quanto antes.

Dando sequência à parte técnica, a secretária municipal de Planejamento, Brenda Alves apresentou detalhes dos dois projetos, além das facilidades e aspectos positivos e as dificuldades e aspectos negativos das duas obras.

O presidente do COMTUR, Wagner Luques, analisou positivamente a reunião e as discussões que envolveram o tema. “O COMTUR sempre tem procurado ouvir a população e principalmente os seguimentos ligados à área turística e explicar os problemas que surgiram de outras administrações e que acabaram afetando a administração atual. Por conta disso temos hoje uma situação emergencial. Ou perdemos uma quantia considerável de recursos ou aceitamos fazer uma fusão de recursos para que possamos ter uma obra que tenha começo, meio e fim”.

Segundo ele, após muita discussão, o consenso seria que a revitalização da avenida Tamoios seria primordial nesse momento. “O COMTUR também defende que esses recursos do Country possam ser revertidos para a avenida Tamoios, que hoje apresenta uma viabilidade maior e uma manutenção muito menor. Ao contrário do que se destinássemos todos esses recursos para o Country. Neste caso não terminaríamos a obra e além disso o município teria uma despesa muito grande com manutenção desse espaço”, explicou.

O presidente do COMTUR afirmou ainda, que além das questões técnicas e burocráticas, a prefeitura terá que definir um cronograma com todas as etapas da obra para fiscalizar o andamento dos trabalhos e evitar que haja mais transtornos que o necessário aos comerciantes e à população.