Segundo ‘Dia D’ de vacinação imunizou mais de 2 mil crianças em Tupã

Campanha segue até 31 de agosto.

A Secretaria Municipal de Saúde de Tupã realizou mais um “Dia D” de vacinação contra sarampo e poliomielite no último sábado (18). Com a intensificação da campanha, já foram imunizadas 2.103 crianças, ou seja, 75% desta população. De acordo com as informações do setor de Vigilância Epidemiológica da prefeitura, o objetivo é que 2.814 crianças sejam vacinadas. Vale lembrar que a campanha se estende até 31 de agosto e todas as unidades de saúde contêm as doses da vacina.

O secretário municipal de Saúde, Laércio Garcia, reforçou a importância da vacinação contra o sarampo e paralisia infantil. “Tem sido notado nos órgãos de saúde que os pais estão deixando de levar os filhos para receberem doses de vacinas que previnem doenças que levam à morte. Com isso, doenças que estavam praticamente extintas, como é o caso do sarampo, por exemplo, estão reaparecendo”, enfatizou.

A enfermeira responsável pelo setor de Vigilância Epidemiológica, Joselaine Pio Rocha, incentiva os pais que ainda não levaram seus filhos para receber as doses, procurem uma das unidades de saúde. “A campanha é voltada para crianças na faixa etária de um ano e menores de cinco anos e basta que os pais levem a caderneta de vacinação no ato da vacina”, disse.

Com a campanha de vacinação contra sarampo e pólio, a prefeitura também está incentivando que os adultos atualizem seu calendário vacinal. Por isso, basta levar a caderneta de vacinação ao posto de saúde e, caso haja vacinas em atraso, as doses serão administradas.

Poliomielite

A Poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar crianças e adultos por meio do contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas infectadas e provocar ou não paralisia.

Nos casos graves, em que acontecem as paralisias musculares, os membros inferiores são os mais atingidos. A doença permanece endêmica em três países: Afeganistão, Nigéria e Paquistão, com registro de 12 casos. Nenhum confirmado nas Américas. Como resultado da intensificação das campanhas de vacinação, no Brasil não há circulação de poliovírus selvagem (da poliomielite) desde 1990.

A vacinação é a única forma de prevenção da Poliomielite. Todas as crianças menores de cinco anos de idade devem ser vacinadas conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual.

Desde 2016, o esquema vacinal contra a poliomielite passou a ser de três doses da vacina injetável – VIP (2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina oral bivalente– VOP (gotinha). A mudança está de acordo com a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e faz parte do processo de erradicação mundial da pólio.

Sarampo

Transmitido por secreções das vias respiratórias como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse, o período de incubação do sarampo, ou seja, o tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é de cerca de 12 dias e a transmissão pode ocorrer antes do aparecimento dos sintomas e estender-se até o quarto dia depois que surgiram placas avermelhadas na pele.

Além de ser uma doença potencialmente grave, em gestantes, o sarampo pode provocar aborto ou parto prematuro. O diagnóstico é feito através de exames clínicos e, quando necessário, confirmado por exame de sangue. O tratamento, por ser uma doença autolimitada, é sintomático, isto é, visa ao alívio dos sintomas.

O paciente com sarampo deve fazer repouso, ingerir bastante líquido, comer alimentos leves, limpar os olhos com água morna e tomar antitérmicos para baixar a febre. Em alguns casos, há necessidade de tratamento para o aumento de imunidade.

A vacina contra o sarampo é eficaz em aproximadamente 97% dos casos. A recomendação das autoridades de saúde é não se descuidar do programa de vacinação. A vacina contra o sarampo é a melhor forma de evitar a doença que pode ser grave. Em caso de dúvida é melhor procurar um centro de vacinação.